Pular para o conteúdo
Início » Visita Guiada ao Palácio Legislativo em Montevidéu: Tudo Sobre

Visita Guiada ao Palácio Legislativo em Montevidéu: Tudo Sobre

  • por
Palácio Legislativo do Parlamento do Uruguai

Tópicos do Artigo


A capital do Uruguai é uma cidade com muitos prédios históricos interessantes, mas nenhum deles se compara à sede do Parlamento, o Palácio Legislativo em Montevidéu.

Essa construção é grandiosa por fora e por dentro e, por isso, fazer a visita guiada ao local é uma das principais atrações turísticas de Montevidéu.

Nós participamos da visita guiada ao Palácio Legislativo e vamos te contar tudo neste artigo!

Leia também nossas dicas especiais sobre onde ficar em Montevidéu nos melhores bairros e quais você deve evitar!

Como é a visita ao Palácio Legislativo em Montevidéu?

O Palácio Legislativo começou a ser construído em 1906 pelos arquitetos Jacobo Vázquez Varela e Víctor Banchini, mas foi finalizado somente em 1925 pelo arquiteto italiano Cayetano Moretti.

A inauguração foi no mesmo ano do Centenário da Independência do Uruguai!

O belíssimo edifício de três andares, com um piso no subsolo, possui uma arquitetura externa claramente de influência neoclássica, com colunas dóricas, cariátides e muito mármore.

Já no interior, a visita guiada ao Palácio Legislativo começa pela sala mais grandiosa, colorida e cheia de detalhes: a Sala dos Passos Perdidos.

Esse nome curioso se deve a acústica do local, que faz com quem está de um lado não escute o que acontece no outro lado.

A Sala dos Passos Perdidos é completamente decorada, tendo sido utilizados mármores, granitos, basaltos e pórfiros do próprio Uruguai.

Sala dos Passos Perdidos
Sala dos Passos Perdidos

Sinceramente, essa sala poderia fazer parte de qualquer palácio europeu, já que é absurdamente bela e as rochas são magníficas.

Além das rochas nas paredes e no chão, os vitrais são igualmente grandiosos e permitem a entrada da luz natural, o que deixa o ambiental agradável.

No teto e nas paredes laterais há vitrais desenhados pelo italiano Giovanni Buffa. Há ainda mosaicos, esculturas e detalhes em ouro.



Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *